Olá, como estão? Eu sou a Érika e, hoje, trouxe um novo poema. Aproveitem! 

Posse

O sol brilha sobre nós
E imagina que louco
Perceber que ninguém possui
Ninguém
Que a vida em suas danças
Vai e volta livremente
Sem se prender a nada
A ninguém
 E ainda que ligues
Não existe
Imaginação
Sua
Porque as asas que se abrem
Alçam voos
Para outro lugar
Ainda que queiras
Ligar-se
Nesse universo disperso
De infinitas possibilidades
Cada um tem seu próprio conjunto
De eventos casuais
E, eventualmente, podem se intersectar
Mas, não deixam de ser
Diferentes conjuntos
Que não se possuem
Nem se contêm 



Olá, como estão? Eu sou a Érika e faz algum tempo que não posto nenhum poema. Mas, trouxe para vocês um hoje! Espero que gostem! 


Sigo

Se seguisse um caminho
retilíneo
poderia ver um horizonte mais firme
Mas, ainda assim, horizontes são voláteis
e de tão impressionada com suas linhas
continuaria distraída em alcançá-lo
Acontece que sigo por curvas
e cada instante, perco-me em
um novo olhar
Acho que é melancólico
de se pensar, que entre
descobertas
disfarces surgem
em verdades absolutas
Mas, cabe-me
enquanto aprendiz de poeta
contentar-me com as palavras
que escrevo-me
em versos
porque o caminho que sigo
não tem “restart”


Olá, galerinha! Como estão? Eu sou a Érika e, depois de tanto tempo, trouxe um poema para vocês! Espero que gostem!

Escolha-se

Descobri que a alma tem um
Jardim próprio
Um ecossistema desconhecido
Que desbrava-se pela vontade de viver
Um oceano para se navegar
Afundar, boiar e descansar
E anjos e demônios demarcam território
Uma luta implacável
Escolha seu lado
Dentro da sua alma
Que tem um timbre único
Escolha-se
Há mais beleza do que terror
É o crepúsculo da sorte
Bonito demais para se ver
A olho nu
Autêntico e altruísta
Em essência
Uma estrela cadente
Não se importa com as desavenças
Escolha seu lado
É um caminho nebuloso
Até o fim do arco-íris