Olá pessoas, tudo bem com vocês? Eu, após finalizar esse leitura, estou bem tranquilo, e louco para contar tudo que puder sem trazer spoilers aqui na resenha. Então, vem logo saber o que eu achei do livro Redoma, romance de estreia da autora Meg Wolitzer, que foi publicado pela Globo Livros/Globo Livros Alt.
PS: Se não quiser spoiler, não leia a sinopse do livro!

Redoma - Meg Wolitzer 
Editora: Globo Livros
Selo: Globo Livros Alt
Gênero: Young Adult
Páginas: 287
Skoob
Classificação: 

Sinopse: Se a vida fosse justa, Jam Gallahue estaria vivendo sua vida tranquila em Nova Jersey, assistindo a séries e abraçando seu namorado, Reeve Maxfield. Ela não estaria infeliz e sem vontade de se levantar da cama, nem estaria em um internato para adolescentes “emocionalmente frágeis”. Mas a vida não é justa, Jam perdeu seu primeiro amor e está completamente perdida. A mudança de escola parece a única possibilidade de recuperação para a garota, que passou quase um ano mergulhada em tristeza. No entanto, ela odeia a nova rotina e decide levar tudo com o menor esforço possível. Por isso, Jam fica surpresa quando descobre que foi selecionada para a exclusiva e lendária aula de “Tópicos Especiais em Inglês”, da misteriosa Sra. Quenell. A turma tem mais quatro estudantes, todos com histórico de traumas ainda piores que os de Jam. Mesmo assim, a professora parece não se importar com a fragilidade de seus alunos quando escolhe o livro que trabalhará durante o semestre: A redoma de vidro, de Sylvia Plath. O romance, que narra a série de eventos que levariam a estudante Esther Greenwood a um colapso nervoso, parece a opção mais improvável, para adolescentes que ainda estão superando experiências difíceis. Além das discussões sobre o livro, cada aluno tem a tarefa de escrever em um diário entregue pela professora. E é esse trabalho que leva Jam e seus amigos desajustados à Redoma, um lugar misterioso onde o passado pode ser revivido, e cada um dos alunos pode rever sua vida antes do momento traumático que levou ao internato.


Jamaica Gallahue, ou se preferir, Jam, tinha um vida normal, como qualquer outro adolescente de Nova Jersey, se não fosse o foto do seu namorado Reeve Maxfield ter morrido e ela esta passando por um trauma muito forte. Já faz quase um ano que seu namorado morreu e ela ainda  permanece deitada em sua cama evitando todo e qualquer contato social, Reeve era britânico, estava fazendo intercâmbio, passaria apenas seis meses, mas, foi embora mais cedo, deixando a pobre Jam apaixonada.

Sua família sem saber mais o que fazer com a pobre Jam, recebe a recomendação de manda-lá para um internato em Vermont, o Celeiro, indicado para "jovens emocionalmente frágeis, ela não aceita a ideia, mas já que não pode fazer nada por si, ela vai.

No Celeiro não é diferente dos demais internatos, zero acesso à internet e qualquer tipo de tecnologia, o contato com os familiares deve ser feito através de cartas ou pelo telefone público que existe em algum dos andares.

Quando sua colega de quarto pega a grade de aulas de Jam, percebe que ela esta na turma de "Tópicos Especiais em Inglês", aula que muita gente deseja participar, porém a seleção de - apenas cinco -  alunos e feita pela própria professora, a Sra. Veronica Quenell, muito misteriosa e bastante autêntica.



"É engraçado como você pode viver um longo tempo sem precisar de ninguém, e então você conhece  alguém e de repente precisa daquela pessoa o tempo todo."

Logo na primeira aula de muitas que terão durante ao longo semestre, a Sra. Quenell distribuiu exemplares do livro A Redoma de Vidro da Sylvia Plath e foi logo dizendo que os estudos se fundamentariam nos escritos da Plath, e que ela seria a única autora que eles leriam naquele semestre, uma escolha um tanto peculiar se levarmos em conta o fato dos alunos serem "emocionalmente frágeis" e estarem passando momentos pós traumáticos. A Redoma de Vidro vem falar da Esther Greenwood, que sofreu um colapso nervoso após longos períodos de depressão, o que de fato aconteceu com a Plath. Ao fim da aula, a professora também entrega aos alunos diários, diários bem antigos de capa de couro vermelho e manda que eles escrevam ali durante todo o semestre.

De início, os personagens não tinham tanta afinidade, não queriam se abrir para os outros, queriam deixar tudo oculto dentro de si mesmo, não tinham motivos para contar o porquê foram para em um internato, porém, eventos estranhos começam a acontecer enquanto escrevem em seus diários, e eles se sentem na obrigação de conversar sobre isso.

E então, a trama começa a se desenrolar, passamos a conhecer as histórias dos outros alunos da aula de "Tópicos Especiais em Inglês", Sierra, Casey, Griffin e Marc, compartilham o seu passado para que os demais consigam compreender o presente, uns se expõem mais do que outros, mas, o fato de compartilharem suas memórias e dores o ligam por um laço forte.



O livro, em diversos momentos dialoga com a obra de Sylvia Plath e vários de seus poemas, de forma bem encaixada e trazendo bastante sentimentalismo nessas passagens, fazendo com os problemas dos personagens transbordem e escoram além das páginas, o fato de sabermos que todos aqueles problemas podem estar sendo vividos por várias pessoas no mundo real deixa tudo mais melancólico e realista.

A narração é feita por nossa protagonista Jam, o que nos deixa bem mais íntimo dos sentimentos, emoções e confusões dela. Podemos citar Redoma como um livro dentro de outro livro, além de convivermos com os personagens no Celeiro, também acompanhamos, mesmo de longe, a história de Esther. Meg Wolitzer tem um escrita muito leve e sutil, as folhas vão sendo lidas que nem percebemos, e quando nos damos conta, já estamos acabando.

O trabalho de diagramação realizado pela editora foi muito bom, com inícios de capítulos bem simples, folhas amarelas e um ótimo acabamento, não encontrei nenhum erro digitação ou algo do gênero durante a leitura.



Foi uma leitura maravilhosa, não espere altos e baixos durante a história, é bem retilínea, em momentos finais somos bombardeados com acontecimentos e situações que jamais pensei que aconteceriam naquele livro, o livro sem dúvida é digno de 5 estrelas. Espero que vocês tenham gostado da resenha, e que se sitam curiosos em ler Redoma, beijos e até mais!

“As palavras são importantes. Durante todo o semestre, procuramos palavras para dizer o que precisávamos. Estávamos todos a procura das nossas vozes.”


16 Comentários

  1. Oi, Vinicius!!

    Sua resenha está ótima!! Você não é a primeira pessoa que vejo elogiar esse livro e estou cada vez mais curiosa. Ele parece ser intenso, emocionante e muito reflexivo.

    O tema é ótimo porque todos nós temos perdas na vida e nem sempre é fácil viver com elas. Então uma redoma para visitar alguém querido novamente com certeza seria muito bem vindo. Mas ao mesmo tempo, se prender ao passado é algo que não faz bem.

    Fico imaginando e pensando como pode ser o final dessa história e agradeço pela Black Friday estar pertinho. Posso checar os preços e quem sabe já adquirir um para mim! Hahahaha

    Bjs!!

    livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Vinicius!
    Gosto muito de YAs, mas não conhecia esse livro. Achei a premissa interessante. Além disso, nunca li nada da Sylvia Plath então acho que "Redoma" seria interessante sob esse aspecto também: me apresentar para esse livro da poeta.
    E gostei do primeiro quote da sua resenha ;)
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá :) Gostei muito da sua resenha! ;) É a primeira resenha que leio sobre essa obra, fez eu ficar com vontade de ler. Gostei bastante da proposta,"Redoma" possui um enredo instigante, nunca li nada parecido. Sem dúvida, o drama de Jam Gallahue é envolvente e tocante. Através da leitura conhecemos um pouco da obra de Sylvia Plath, isso é ótimo. :) Abraço! *-*
    Blog: http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/
    Página: https://www.facebook.com/BlogWonderfulBooks/

    ResponderExcluir
  4. Oiee
    ai deuss!!!! sua resenha me deixou enfurecida, louca de vontade de comprar esse livro.
    Gosto muito de YA!

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  5. Olá meu anjo,

    Livros assim parecem me chamar..."Vem Jo...Pode me ler."

    Livros com pessoas fragilizadas por traumas ou perdas que não estavam preparadas para ter em suas vidas atuais e psicopatas parecem ter um efeito anormal sobre mim. Sempre gostei do nosso frágil e perturbado. Esse é o lado mais real do ser humano. É o que une o Barack Obama a todo seu povo. É a parte emocional e mental que faz de nós uma espécie diferente dos outros.

    Somos tão centrados em super poderes e conquistar o Universo que esquecemos que a conquista mais esplêndida é o auto-reconhecimento e a sensibilidade de entender o outro.

    Não respondemos da mesma forma diante perdas e isso que torna a humanidade atraente. Conhecendo a nós mesmos é mais fácil encontrar o caminho para a cura e a libertação do sofrimento.

    Eu gostei muito da sua resenha e com certeza vou comprar esse livro.

    Beijocas!
    poesiaqueencantavida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Que capa maravilhosa, amei o enredo também, sua resenha já me fez desejar o livro para ontem. Parabéns pela resenha e por me apresentar um livro que nem conhecia.

    ResponderExcluir
  7. Esse livro não é bem meu estilo de leitura, mas gostei bastante da temática dele e fiquei bem curiosa em ler pra saber como os fatos foram narrados.
    É provável que eu dê uma chance a ele.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu já tinha ouvido falar desse livro antes mas nunca tinha me interessado de fato nele. Confesso que sua resenha despertou minha curiosidade e fiquei bem cativada com o livro, adorei a premissa e parece muito interessante!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  9. Estou simplesmente LOUCA por esse livro pois amei demais a leitura de A Redoma de Vidro!! Estou só esperando o preço baixar um pouco para fazer a aquisição e me jogar na leitura <3 Espero gostar tanto quanto você!! :D Gostei de ter citado que a narrativa é "retilínea" e que no final acontece um monte de coisas, pois no livro da Plath é assim também :D Todos os "altos e baixos" ficam da metade para o final, e eu amo isso.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Oi, ainda não conhecia o livro e já estou adicionando na estante. Sua resenha me deixou curiosa para conhecer o livro e espero não me decepcionar. Estou curiosa para saber como a personagem irá lidar com a superação da perda.
    Beijos,

    ResponderExcluir
  12. Oi Vinicius!
    Não conhecia esse livro, mas sua resenha me fez ter muita vontade de lê-lo!

    Beijosz!
    Bia Pupato
    http://bookbus1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Puxa,que jeito legal de fazer resenha,gostei muito da capa e acho que leria sim :)

    ResponderExcluir
  14. Oie, tudo bom?
    Quando olhei a capa não imaginei uma história com um teor psicológico e reflexivo tão forte. É uma história bastante interessante e esse grupo formado nessa aula parece render uma boa narrativa. Me apaixonei pela capa!
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Olá

    Não conhecia o livro,gostei bastante da sua resenha,a premissa do livro é interessante,livros em que as pessoas tentam superar traumas me agradam bastante,por isso adorei a dica.

    Bjss

    ResponderExcluir
  16. Olá! Que resenha legal, o livro também me pareceu ser bem interessante, não é um gênero que leio, mas o enredo parece ser bem construído.
    Abraços!

    cafelivrosseries.blogspot.com.br

    ResponderExcluir